No âmbito jurídico, o Vade Mecum é o livro de referência para qualquer atividade que esteja relacionada a alguma lei. Nele, encontra-se a legislação de diversos ramos do Direito, sem comentários, interpretações ou observações – ou seja, como ela é, de fato. Dessa forma, classifica-se o Vade Mecum como uma referência devido ao seu conteúdo ser a legislação seca.

O termo “Vade Mecum”, inclusive, tem origem no latim, e significa “vem comigo” ou “vamos juntos”, dependendo da interpretação. Nesse sentido, o significado se relaciona totalmente à sua utilidade. Desde estudantes de Direito até profissionais com anos de experiência utilizam o Vade Mecum no dia a dia.

A obra é tão essencial que há versões com o enfoque em determinadas situações, por exemplo, a prova da OAB, necessária para todo estudante de Direito formado poder atuar como advogado. Pensando nisso, é válido perguntar: você sabe como o Vade Mecum OAB pode lhe ser útil? Continue lendo e saiba tudo sobre ele!

Saiba quando comprar cada Vade Mecum! Baixar guia

Qual a finalidade desse Vade Mecum?

Como dito anteriormente, para atuar como advogado em território nacional, todo cidadão formado em Direito precisar ser aprovado no exame da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). Sem a carteirinha da instituição, não é permitido advogar, não importando em qual faculdade a pessoa cursou ou algo do tipo. Em suma: é preciso passar na prova.

Buscando auxiliar os estudantes do penúltimo e último ano da faculdade ou mesmo os formados que ainda não passaram no exame da ordem, o Vade Mecum OAB possui todo o seu conteúdo focado na segunda fase da prova. Ou seja, a obra é voltada, totalmente, para estudar e prestar o exame da OAB, não possuindo o mesmo contingente de legislações que a versão tradicional do Vade Mecum.

Qual a diferença entre o Vade Mecum Tradicional e o OAB?

Para estudar para as provas e atividades da faculdade de Direito, além de necessidades do trabalho ao longo do período de atuação como advogado, é indicado que a pessoa tenha um Vade Mecum Tradicional a mão. Assim, é possível consultar qualquer legislação durante o período de atividades. Com o Vade Mecum OAB, no entanto, isso não necessariamente consegue ser feito.

Tendo um material totalmente focado no exame da ordem, a obra não possui o mesmo conteúdo da versão tradicional – sendo, nesse caso, menor. Estão fora do Vade Mecum OAB os estatutos do índio e dos militares, além da legislação complementar das áreas empresarial e militar. Além disso, no caso da obra publicada pela Saraiva Jur, os conteúdos adicionais on-line também são totalmente focados na segunda fase da OAB, sem contemplar outras questões que são abordadas durante o curso de Direito.

A segunda fase não é um bicho de sete cabeças!

Diferentemente do que pode se pensar, a segunda fase do exame da ordem não é como um bicho de sete cabeças! Sendo denominada como prova prático-profissional, ela é aplicada aos aprovados na prova objetiva da primeira fase, e é composta por duas partes: quatro questões dissertativas e a redação de uma peça profissional privativa de advogados.

O tema da prova, inclusive, é de acordo com a escolha do candidato dentre sete áreas do Direito disponibilizadas pela ordem: administrativo, tributário, civil, empresarial, penal, trabalhista e constitucional. Ou seja, nessa fase é necessário que o estudante se dedique muito aos estudos da área optada na inscrição para o exame. Tendo feito isso, somado ao auxílio do Vade Mecum OAB no dia da prova, a segunda fase certamente não aparentará ser tão difícil de se realizar.

“Como o Vade Mecum OAB pode me ajudar a ir bem na prova?”

Como visto acima, com dedicação e o material certo, a segunda fase da OAB não será tão difícil quanto parece. No entanto, é fato que ela demanda bastante estudo por parte do candidato. Nesse sentido, ter um Vade Mecum com o conteúdo físico e digital – caso haja – focado totalmente no exame da ordem poderá tornar mais eficiente a preparação do estudante.

Recursos com um mapa da Legislação para a segunda fase podem ser fundamentais para se sair bem no exame. No entanto, tais atributos só estão presentes em um Vade Mecum focado na prova da OAB. O tradicional, por mais que contenha a legislação necessária, não focará o seu conteúdo adicional nas prioridades de quem se inscreveu no exame.